quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Definição do Conceito de Just in Time



   “Just in time é um sistema que tem por objetivo produzir a quantidade demandada a uma qualidade perfeita, sem excesso e de forma rápida, transportando o produto para o lugar certo no tempo desejado” (Hall, R. W. 1983).
   O Just in time está relacionado com a produção por demanda e tem a premissa de alocar a matéria-prima na quantidade e no tempo necessário. Ele tem por objetivo reduzir ou eliminar, todo o estoque e desperdícios nos diferentes estágios do processo, eliminando os custos derivados.
   Podemos dizer que o Just in times apresenta vantagens, desvantagens e pré-requisitos para que ele possa funcionar de forma adequada na empresa. Como vantagens, podemos citar:
  • Agilidade e redução de custos em toda a cadeia produtiva;
  • Rápida conversão dos materiais;
  • Redução do trabalho em processo;
  • Rápida resposta aos problemas;
  • Melhor qualidade e;
  • Menos desperdícios e retrabalho.

    A desvantagem é que o Just in time não pode ser aplicado em produtos com demanda pouco previsível e com grandes oscilações. Além disso, ele funciona com maior eficiência com pequenos números de fornecedores sendo necessário que os mesmos tenham estabilidade no fornecimento de materiais.
    Existe uma diferença entre o Just in time e o Kanban, sendo este último uma ferramenta de trabalho utilizada para o controle de produção. São utilizados cartões que controlam o estoque e a produção de forma visual. Já o Just in time é mais uma forma de gestão, onde temos conceitos de administração de produção, gestão de materiais, projetos qualidade, recursos humanos e a administração do trabalho.
   Para a instalação do Just in time é necessário que a empresa realize algumas ações, tais como:
  • Comprometimento da alta administração;
  • Treinamento de funcionários;
  • Investimento de capital para a melhoria do processo;
  • Facilidade de comunicação entre as áreas;
  • Domínio dos processos pertinentes e;
  • Garantia da eficiência no controle de qualidade.


Referência Bibliográfica
Postado por: Laura Campos


Produção Empurrada e Puxada

Produção Empurrada
   Sistema onde a primeira operação do processo produtivo recebe uma ordem de produção e executa sua operação produzindo um lote padrão de produtos que são "empurrados" para a operação seguinte do processo. Não existe uma ligação direta entre o que é produzido e a real demanda do cliente. A produção é baseada em uma estimativa, uma tentativa de adivinhar o que o cliente vai pedir ou precisar.

Produção Puxada
   Sistema onde a última operação do processo visualiza a quantidade de produtos realmente faturados do estoque para o cliente, e produz para repor este consumo do estoque "puxando" a quantidade de peças do estoque da operação anterior. Existe uma ligação direta entre o consumo real do cliente e a quantidade produzida. O processo produtivo neste tipo de sistema somente inicia-se ao receber o pedido do cliente, portanto é menos sensível a flutuação da demanda, sendo o consumo de material preciso e o giro de inventário é grande.

Referência Bibliográfica
Postado por: Laura Campos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário